NF se une para cobrar no Rio volta de PMs e Delegacia de Homicídios

 

Reunião hoje, no Rio, da cúpula da Segurança Pública do Estado com o deputado Bruno Dauire e representantes de Campos, SJB, SFI, Carapebus e Macaé (Foto: Divulgação)

 

 

O retorno dos 40 homens cedidos pelo 8º BPM ao Grande Rio, aumento do efetivo policial nos municípios do Norte Fluminense e a instalação de uma Delegacia de Homicídios na região. Esses foram os principais assuntos da reunião que aconteceu hoje (30) no Rio, na sede da secretaria estadual de Segurança Pública, entre o deputado estadual Bruno Dauaire (PR), acompanhado de vereadores de Campos, São João da Barra (SJB), São Francisco de Itabapoana (SFI) e Carapebus, com secretário de Segurança Antônio Roberto Cesário de Sá, o comandante geral da PM, Wolney Dias Ferreira, e do chefe da Polícia Civil, Carlos Augusto Neto Leba.

Vice-presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Bruno agendou o encontro, que teve também um representante do Conselho Municipal de Segurança Pública de Macaé. O deputado e os representantes dos municípios mostraram a realidade do crescimento da violência no interior do Estado do Rio. “Os números são preocupantes e não podemos deixar essa situação continue assim”, disse Bruno.

Comandante da PM, o coronel Wolney se comprometeu a estudar a possibilidade de retorno dos policiais ao 8º BPM, o que pode ser anunciado amanhã (31), em sua visita a SFI, anunciada aqui, na Folha da Manhã. Bruno adiantou que, a partir da reunião de hoje, essa é sua expectativa.

 

Com informações da assessoria do deputado 

 

Leia a reportagem completa sobre o quadro de Segurança Pública da região na edição desta quarta (31) da Folha da Manhã

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 4 comentários

  1. Ricardo

    Até que enfim uma reação da região pela segurança pública. E algo na blogosfera local que fuja aos delírios megalomaníacos de esquizofrênico mal parido em ispeçialista… kkkkkkkkkkkkk

  2. Filinto Müller

    Poderiam aproveitar e fazer uma triagem nas forças de segurança do estado. Será que alguém com histórico de dependência química e depressão bipolar, com obsessão freudiana em mandar a todos tomarem no cu, cujo equilíbro psquiátrico é melhor resumido na proposição pública de tortura e morte dos seus opositores políticos, é alguém capacitado estar andando pelas ruas com arma bancada pelo estado?
    Abre o olho, secretário Antônio Roberto Cesário de Sá!

  3. cesar peixoto

    O que esta faltado na PMERJ e qualidade e nao quantidade,o centro da cidade a noite nao tem policiamento, fica num total abandono.cade a cabine que ficava no calcadao

  4. Coloca os PMS a disposicao e os da parte administrativa para fazer o policiamento ostensivo, que resolve o problema na cidade

Deixe um comentário