Opiniões

Igor Franco — O PT e o #MortadelaGate

 

 

Desde o “Escândalo dos Aloprados” na eleição presidencial em 2006, quando integrantes do PT foram presos com centenas de milhares de dólares e reais em espécie para a compra de um suposto dossiê contra o candidato tucano José Serra, parece fatal descortinar-se um novo escândalo petista envolvendo campanhas a cada eleição presidencial. Em 2014, a personagem Dilma Bolada fez grande sucesso nas redes, com postagens engraçadinhas que, disfarçadamente, promoviam promessas de campanha e feitos (???) da ex-presidente. Posteriormente, descobriu-se que o criador da página era muito bem remunerado por uma agência de propaganda envolvida em desvio de dinheiro público para abastecer campanhas do Partido dos Trabalhadores.

Desbaratado ao longo do final de semana após a denúncia de uma ex-participante, a jornalista Paula Holanda, o mais recente escândalo promovido pelos asseclas do presidiário-candidato já foi batizado de “Mensalinho do Twitter” ou “MortadelaGate”. O esquema consistia em postagens descentralizadas para promover candidatos do partido a partir de perfis simpáticos à esquerda que tivessem muitos seguidores. A contratante da mão-de-obra, uma agência de publicidade vinculada ao deputado Miguel Corrêa Junior (PT-MG), enviava uma pauta diária para os contratados seguirem. Com a aparência de uma manifestação espontânea, diversos perfis disparavam mensagens parecidas enaltecendo o candidato à reeleição no Piauí Wellington Dias, a candidata à Câmara Gleisi Hoffman, dentre outros ilustres conhecidos das páginas policiais.

Os chamados digital influencers, uma espécie de blogueiros descolados da nova geração das redes sociais são um dos grandes enclaves da esquerda na internet. Eles estão nas diversas redações dos grandes jornais, fazem parte de start-ups tecnológicas, colaboram para campanhas de marketing bonitinhas que prometem salvar o mundo através da venda de produtos, são donos de páginas de memes em favor do aborto, droga e políticas identitárias. Se fossem pobres coitados sem perspectiva, receberiam um sanduíche com mortadela por sua colaboração à causa. Como a pecha de descolados lhes confere maior pedigree, a compra de suas consciências partia de R$ 1.500,00 ao mês. Em resumo, os digital influencers de aluguel se converteram numa releitura da antiga blogosfera progressista, rede de sites mantida até alguns anos atrás por pesada propaganda de governos petistas e aliados.

Após a divulgação de todo o esquema, os mensaleiros virtuais passaram a adotar diferentes linhas de defesa: uns dizem que, apesar do acordo verbal, não chegaram a receber qualquer valor; outros se apressaram a bloquear ou excluir os seus perfis; a maioria, porém, dedicou-se a acusar de alcagueta a delatora. Paula Holanda, de membro da trupe progressista, passou a ser chamada de “x9” e sofreu ameaças virtuais dos inconformados pela revelação do esquema criminoso. A preocupação tem sua justificativa: além de imoral, a venda de propaganda eleitoral de maneira implícita é crime (Resolução 23.551 do TSE, art. 23, IV, b), além de levantar a suspeita sobre origem do dinheiro para financiamento desse tipo de esquema.

Como ocorreu durante a eclosão do Mensalão e de diversos outros escândalos menores até o desbaratamento da joia da coroa da corrupção nacional, trazida à luz pela Lava Jato, o PT, seus simpatizantes e seus porta-vozes na imprensa decidiram ignorar toda oportunidade de autocrítica e elevação de seus padrões. Para o PT e seus asseclas, a única e verdadeira batalha da política se dá em torno do poder e todo e qualquer meio para a tomada do mesmo.

Ora, que o PT seja capaz de utilizar meios ilegais e insidiosos para manipular eleições através da utilização de recursos escusos não deve assustar ou constranger ninguém. Também é certo que os eleitores do partido não se abalarão com essa nova ilegalidade, afinal, numa escala de gravidade, o desvio sistemático de recursos públicos para abastecer o caixa do partido e a riqueza pessoal de seus membros figura numa posição muito mais grave e, mesmo assim, continuamos a assistir o presidiário candidato figurando no topo das intenções de voto. Entretanto, não deixa de ser curiosa a sistemática propensão dos petistas a delinquir e, aparentemente, relegarem a mero detalhe o fato de tratar-se de uma prática criminosa promovida com dinheiro tirado sabe-se lá de onde e buscarem o linchamento virtual de quem ousou delatar o partido (alguém aí lembra do companheiro Palocci?).

A fantasia descolada e moderninha dos novos porta-vozes só engana os mais incautos: por dentro, as velhas práticas mofadas mostram que a corrupção no PT só sai de cena para mudar de figurino.

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem um comentário

  1. Engraçado, você só fala do PT ! Lembro que nas eleições de 2014 você sempre malhava o PT e enaltecia sempre o Aécio, agora fala umas verdades do Aécio e o seu PSDB, com os escândalos do governo (Alckmin) de São Paulo (PSDB) e do (Eduardo Azevedo) Minas Gerais. Curiosidade: Vocês da mídia burguesistas só sabem malhar o PT. Porque não malham o governo Temer e o do Alckmin ? Perrgunto eu a você ! Onde está o dinheiro das privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso. Pimenta nos olhos dos outros ardem e no de vocês não !

Deixe uma resposta

Fechar Menu