Lula lidera, Bolsonaro cresce rejeição e 3ª via tem espaço

 

(Infográfico: CNT/MDA)

 

Segundo a pesquisa CNT/MDA divulgada hoje, Lula (PT) não ganharia no primeiro turno a eleição presidencial se ela fosse hoje — como chegou a apontar a pesquisa Ipec (confira aqui) da última quinzena de junho — mas ficaria perto. Na consulta estimulada CNT, feita entre 1º e 3 de julho, o ex-presidente petista hoje tem 41,3% das intenções de voto, seguido à distância pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com 26,6%. Mas a rejeição ao governo federal chegou a 48,2% dos brasileiros, bem próximo aos 50% apontados pelo Ipec.

Nenhuma outra opção apresentada a presidente em 2022 teve dois dígitos de intenções de voto: Ciro Gomes (PDT) e Sergio Moro (sem partido) empataram com os mesmos 5,9%, enquanto João Doria (PSDB) tem 2,1%. Descontados os 8,6% de brancos e nulos, Lula hoje teria 45,2% dos votos válidos. Outros 7,8% se disseram indecisos. A consulta ouviu presencialmente 2.002 eleitores em 137 municípios de 25 unidades da Federação. E tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais para mais ou menos.

 

(Infográfico: CNT/MDA)

 

Rejeição ao governo Bolsonaro

Embora não tenha medido a rejeição direta do eleitor aos presidenciáveis, a pesquisa apresentou outros resultados bastante negativos a Bolsonaro. Os 48,2% dos brasileiros que hoje consideram seu governo ruim ou péssimo cresceram relevantes 12,7 pontos sobre os 35,5% registrados pela CNT/MDA de fevereiro. Na de julho, administração federal teve 22,7% de regular e 27,7% de bom ou ótimo, quase o mesmo número de intenções de votos do presidente.

 

(Infográfico: CNT/MDA)

 

Rejeição à condução da pandemia

Outro dado da pesquisa também revela uma causa desse substancial aumento no desgaste do governo federal: 57,2% dos brasileiros desaprovam sua condução da pandemia da Covid-19. É um crescimento negativo de 15,2 pontos em relação aos 42% que desaprovavam em fevereiro. Os que aprovam hoje são 39%. É uma queda de 15,3 pontos na maioria perdida dos 54,3% que aprovava a condução sanitária do país há cinco meses.

 

(Infográfico: CNT/MDA)

 

Estimulada – espontânea = rejeição

Se na corrida presidencial mantém votos para estar no segundo turno, Bolsonaro diminuiu bastante a diferença para Lula na pesquisa espontânea: 21,6% contra 27,8% do petista. Mas, na comparação com a consulta estimulada, Lula cresce 13,5 pontos para chegar aos 41,3% de quando o disco é apresentado. Com ele, o presidente só chega a 26,6%. Este crescimento de 5 pontos é menos da metade do seu principal concorrente. E revela o alto preço da rejeição que hoje o “mito” carrega.

 

Potencial para a terceira via

Por outro lado, a mais de 15 meses das urnas, é alto número de eleitores que se dizem indecisos na pesquisa espontânea a presidente: 38,9%. O que releva potencial para o crescimento de uma terceira via. Dos nomes postos na consulta induzida, Ciro passa de 1,7% para 5,9%, Moro de 0,7% para 5,9%, Doria de 0,7% para 2,1%. E não são os únicos três nomes no jogo para tentar furar a polarização entre Lula e Bolsonaro.

 

(Infográfico: CNT/MDA)

 

Maioria pelo voto eletrônico

Considerada por analistas nacionais e internacionais como tentativa de criar uma atenuante prévia para negar a derrota, a briga de Bolsonaro pelo comprovante impresso dos votos na urna eletrônica (confira aqui) também não tem acolhida da maioria da população. São 32,9% os brasileiros que disseram ter confiança elevada no voto eletrônico, enquanto 30,8% têm confiança moderada — ao todo, 63,7%. Outros 15,8% disseram ter confiança baixa, enquanto 18,7% se disseram sem confiança.

 

Confira aqui a pesquisa CNT/MDA

 

fb-share-icon0
20
Pin Share20

Este post tem 6 comentários

  1. Sandra

    Piada do dia!!!!

  2. Vinícius

    Está liderando da mesma maneira que o PT liderou na última eleição

  3. Na próxima eleição Lula vai fazer o papel de coelho larga na frente, e perde a corrida para Bolsonaro. Quase todos os presidentes que roubaram em outros países não conseguiram se reeleger, será que aqui vai ser diferente?

    1. Aluysio Abreu Barbosa

      Caro Cesar Peixoto,

      Sem nenhuma defesa da corrupção sistêmica dos governos do PT, se os presidentes que roubaram não conseguirem se reeleger, Bolsonaro, que trabalha por sua reeleição desde 1º de janeiro de 2019, está com os dias contados. Na dúvida, corrupção na compra de vacinas à parte, confira:

      https://www.youtube.com/watch?v=7Xx_0Pwzay4

      Grato pela chance do diálogo!

      Aluysio

Deixe um comentário